SEMPRE COM SAÚDE, SEMPRE NATUROVOS

Ano

Mês

TAGS

Artigo / 03.06.2015 Colesterol dos ovos não oferece riscos à saúde, diz estudo de especialistas ingleses

A Ovos Brasil - entidade que tem como missão expandir os conhecimentos sobre o ovo como fonte nutricional e seus benefícios à saúde - divulga as conclusões de um estudo realizado por pesquisadores britânicos da Universidade de Surrey sobre a relação colesterol e consumo de ovos. O estudo aponta que, ao contrário do que diz a crença popular, o consumo de ovos não provoca um aumento excessivo de colesterol, nem causa riscos de infarto. A pesquisa confirma que o verdadeiro perigo para a saúde está na gordura saturada. Segundo o diretor-executivo da Ovos Brasil, José Roberto Bottura, a conclusão do estudo reafirma a posição da entidade em difundir os benefícios dos ovos e seu consumo de forma segura para a população. “Além dos benefícios para a saúde, o ovo é um produto de baixo preço, possibilitando sua inclusão na dieta de grande parte da população.”

 

Um estudo realizado por pesquisadores britânicos chegou à conclusão de que, ao contrário do que diz a crença popular, o consumo de ovos não provoca um aumento excessivo de colesterol, nem causa riscos de infarto. O relatório elaborado por dois especialistas da universidade inglesa de Surrey confirmou que o verdadeiro perigo para o colesterol está na gordura saturada. Segundo a crença popular, a presença deste elemento na gema seria a causa do aumento do nível de colesterol no sangue.

 

Além disso, mais de 40% dos britânicos acreditam que deve-se comer, no máximo, três ovos por semana, para prevenir problemas de saúde. Entretanto, os pesquisadores concluíram que o efeito do colesterol presente nos ovos é insignificante do ponto de vista clínico. No estudo, os cientistas constataram que apenas um terço do colesterol sanguíneo se origina na dieta. Os ingleses ainda afirmaram que os outros fatores que aumentam os níveis de gordura no sangue - e o risco de infarto - são o fumo, o sedentarismo e a obesidade.

 

"Deve-se corrigir este erro enraizado que vincula o consumo de ovos ao alto colesterol no sangue", disse o professor Bruce Griffin. "A quantidade de gorduras saturadas na dieta exerce um efeito no colesterol sanguíneo que é muito maior que a relativamente pequena quantidade de colesterol dos ovos", acrescentou. Griffin também garantiu que as pessoas não precisam limitar o consumo deste alimento. "As pessoas não devem fazer limitações do consumo de ovos. Elas podem até ser encorajadas a incluí-los em uma dieta saudável, já que são altamente nutritivos", disse. 

 

Fonte: instituto Ovos Brasil

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Artigo / 01.06.2015 Afinal, o ovo é bom para a saúde?

Amigos, talvez ainda existam muitos de vocês que fazem a opção de não consumir ovos brancos, caipira ou de granja, porque acreditam que eles façam mal para o organismo.

 

Mas fiquem tranquilos, este carma que acompanha os ovos está sendo desmistificado aos poucos, pois a ciência, à medida que avança nos estudos, relata que o ovo é benéfico para a saúde.

 

Ainda não acredita? Então acompanhe-me e depois tire suas próprias conclusões.

 

Características do ovo:

• Após o leite materno, o ovo é considerado o alimento mais completo.

• Fácil preparo, digestão e absorção.

• Supre carências de vários nutrientes incluindo vitamina B12.

 

Indicado para:

• Controle ou perda de peso: reduz a ingestão de gorduras, carnes e outros alimentos altamente calóricos.

• Alimento de baixo custo: é a fonte de nutrientes e de proteínas mais acessível que existe.

 

Composição do ovo:

 

A casca do ovo é rica em cálcio. Pó da casca de ovos enriquecidos administrados na alimentação de idosos com osteoporose resultou em melhora da densidade mineral óssea. Curiosidade: A cor da casca indica apenas a cor da galinha, ou seja, ovos brancos são originários de galinhas brancas e os vermelhos de galinhas vermelhas.

 

Clara (porção gelatinosa do ovo): fonte de proteína, rica em albumina, indicada para pessoas que necessitam de reposição eficiente de proteínas (praticantes de exercícios, por exemplo) e como complemento de dietas de emagrecimento ou deficientes de fontes proteicas.

 

Gema (parte amarela e central do ovo): rica em nutrientes como vitaminas e sais minerais. Responsável pelo mito do colesterol, contudo, estudos revelam que o consumo de ovos não aumenta o colesterol, fato este observado em grupo de pessoas que consumia quatro ovos por semana. A gema é fonte de ferro, colina, ácido fólico, lecitina, biotina (depressão), antioxidantes, luteína, vitaminas B, E, entre outros.

 

Propriedades do ovo:

• Aglutinante: fornece textura suave e uniforme (exemplo: patês);

• Anticristalizante: a clara evita a cristalização de açúcares nos alimentos (coberturas, suspiros, etc.);

• Aromatizante: confere aroma especial e é essencial para o preparo de massas e de confeitos;

• Coagulante: fundamental em alimentos que precisem ser “ligados” (bolos, almôndegas, crepes);

• Corante: luteína e zeaxantina conferem propriedades corantes ao ovo, muito apreciado na culinária;

• Emulsificante: a lecitina confere ao ovo um equilíbrio entre o óleo e a água, indispensável no preparo de molhos, maioneses e confeitos para bolos;

• Espumante: mediante a emulsão de água e ar, qualidade esta apresentada em maior quantidade na clara, mas podendo ser utilizado o ovo inteiro para fazer espuma.

 

Curiosidade: O ovo contém tudo o que a vida necessita, menos vitamina C. Não existem diferenças nutricionais significativas entre os ovos caipira e de granja.

 

Combatendo e prevenindo doenças:

• Alergias: o ovo é rico em zinco auxiliando no combate a algumas alergias.

• Alzheimer: possui alta concentração defosfatidilcolina, serina e vitamina B12 que auxiliam na recuperação da memória e melhoram o quociente de inteligência em crianças (Pesquisa da FAO – 1996). É essencial na nutrição de idosos.

• Artrites: atua como anti-inflamatório e possui pequena quantidade de ômega-3.

• Crescimento e desenvolvimento: a PQQ (pirrolo, quinonina quinona) é encontrada no leite materno e no ovo (clara e gema). Portadores de Alzheimer, Parkinson e demência senil diminuem a produção de PQQ.

• Degeneração macular senil ou cegueira da idade: a ingestão diária de 1,3 gema de ovos evita o surgimento da doença.

• Doenças cardiovasculares: eleva o HDL - colesterol (bom) por possuir elevada quantidade de lecitina, impedindo que o colesterol se deposite nas artérias; no intestino, participa da formação da bile, mobilizando triglicerídeos e diminuindo a formação de colesterol.

• Alimentação de atletas: a inclusão de ovos na dieta ajuda a suprir a necessidade de proteínas.

• Infecções infantis: relacionadas à bactérias, fungos e vírus são minimizadas com a inclusão na dieta diária de ovos, fortificando o sistema imunológico a partir dos 12 meses de idade.

• Gestação e amamentação: o ovo fornece vitaminas do complexo B, ácido fólico, essencial para o desenvolvimento do tubo neural do feto.

• Osteoporose: o carbonato de cálcio oriundo da casca de ovo é bem absorvido pelo organismo, promovendo maior densidade osseomineral.

• Parkinson: fornece cisteína (176 mg por unidade), um poderoso antioxidante que auxilia na prevenção e no tratamento da doença de Parkinson.

 

O ovo passou de vilão a mocinho

 

O ovo é um alimento que possui proteínas de alto valor biológico, ou seja, contém todos os aminoácidos essenciais em quantidades e proporções ideais para atender às necessidades orgânicas; portanto, podemos dizer que ele é um excelente alimento por fornecer estruturas que o nosso organismo não é capaz de sintetizar, devendo ser absorvido através dos alimentos.

 

O ovo também é uma excelente fonte de triptofano, o aminoácido precursor da serotonina, a substância associada à sensação de bem-estar. 

 

Do total de gorduras contidas em um ovo, a maioria é de monoinsaturadas a gordura do bem, protetora do coração. Os ovos naturalmente são excelente fonte de vitaminas e particularmente das vitaminas A, D, E, K, B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B12 e ácido fólico. Por serem lipossolúveis, as vitaminas A, D, E, K são depositadas na gema.

 

A gema do ovo é também rica fonte de fósforo (P) e ferro (Fe) disponíveis e de carotenoides, luteína e zeaxantina, ambos envolvidos no funcionamento adequado da região da mácula ocular e na redução do risco de degeneração macular, principalmente em idosos. A colina é outro nutriente naturalmente encontrado nos ovos e que tem sido identificado como essencial para gestantes, à memória e no desenvolvimento cerebral de recém-nascidos. 

 

Fala-se do alto teor de colesterol do ovo. Procede?

 

De fato, o ovo tem muito colesterol. Uma unidade contém 213 miligramas da substância, quase o total da ingestão diária recomendada pela Associação Americana do Coração, que é de 300 miligramas. 

 

O erro, no entanto, é imaginar que todo esse colesterol, depois de ingerido, tem como destino certo o entupimento das artérias.

 

Na verdade nem todo o colesterol ingerido causa entupimento nas artérias, pois também é destinado à formação de hormônios importantes ao corpo, faz parte das membranas de todas as células, além de possuir outras funções de extrema importância. 

 

Você recomendaria o consumo de ovos por parte das crianças?

 

Devido a todos os benefícios nutritivos do ovo, ele pode e deve ser consumido pelas crianças, desde que seja bem cozido. A introdução do ovo na alimentação das crianças pode ser realizada a partir dos seis meses de idade, iniciando com a gema cozida (cerca de ¼) e aumentando a quantidade gradativamente. No caso da clara de ovos sua introdução deve ser realizada apenas após o primeiro ano de idade (responsável por algumas reações alérgicas).

 

Praticantes de musculação e fisiculturismo costumam comer vários ovos após o treino, visando a reposição de proteínas e a reconstrução da massa muscular. Isso porque a albumina, proteína de alta qualidade presente na clara do ovo, teria essa propriedade reparadora.

 

O educador físico Bruno Paulo Andrade confirma que, na academia onde trabalha, vários alunos adotam essa prática. "O treino provoca micro-lesões e o ovo ajuda a reconstruir a massa muscular. Ele também ajuda a aumentar o músculo, o que chamamos de hipertrofia. A gente diz que o ovo é ouro para a hipertrofia", comenta Bruno. O educador físico considera o ovo um verdadeiro injustiçado, isso devido aos muitos mitos e controvérsias em torno dele. Mas mesmo reconhecendo suas muitas qualidades, Bruno diz não recomendá-lo aos seus alunos. “Não faço recomendação alimentar; oriento a atividade física. Sempre indico procurar uma nutricionista.”

 

Fontes:

PUPPIN, Sérgio. Ovo. O mito do Colesterol. Rio de Janeiro

REVISTA SAÚDE. Ovo. Pode comer todo dia. E o melhor está na gema

REVISTA BOA FORMA. Dieta do Ovo

www.maisqualidadedevida.com.br • tribunadonorte.com.br

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA